terça-feira, 18 de setembro de 2018




"É preciso dizer a verdade, ainda mais quando a dúvida exige dizê-la, a entenderão aqueles que possam. Não aconteça que ao silenciá-la em consideração aos que não a possam entender, além de defraudar a verdade, sejam também entregues ao erro aqueles que, sendo capazes de conhecê-la, o evitariam". (Santo Agostinho)

«Hay que decir la verdad, sobre todo cuando una dificultad hace más urgente que se diga; entenderán [la verdad] quienes puedan. No sea que al silenciarla en consideración a quienes no puedan entenderla, no solamente se frustre la verdad, sino se entregue al error a quienes pudieran captar lo verdadero, Y con esto evitar el error ... »

"Dicatur ergo verum, maxime ubi aliqua questio ut dicatur impellit; et capiant qui possunt: ne forte cum tacetur propter eos qui capere non possunt, non solum veritate fraudentur, verum etiam falsitate capiantur qui verum capere quo caveatur falsitas, possunt ... » De bono perseverantiae. cap. XVI, n. 40 (P. L. 45, 1017).

In: CONGAR, Yves. Falsas y Verdaderas Reformas en la Iglesia. IEP, Madrid-1953.


quarta-feira, 22 de agosto de 2018




Um olho que tudo vê?


As culturas antigas são fascinantes! Têm de tudo: Deus do trovão, rainha dos mares, olho que tudo vê, um deus para o nascimento e outro para destruição... uma verdadeira infinidade de personificações que são inegável tentativa de compreender o misterioso universo que nos cerca.

O homem é indefeso ante a grandeza da criação. Mesmo a ciência, pretensa senhora da verdade, reconhece-se como uma eterna aprendiz da natureza tal e qual se apresenta ao homem: tanto no mais ínfimo reino das partículas elementares, quanto no magno reino dos corpos celestes.

O desejo humano de conhecer não se rende! E faz muito tempo que as explicações antigas perderam seu lugar para a luz da Revelação Cristã, onde é plenamente reconhecida a capacidade do homem de conhecer a existência de Deus com as luzes da sua razão, mas não de conhecer todas as coisas que existem, pois a existência não se esgota no que a criatura pode contemplar pelos cinco sentidos.

Os microscópios, telescópios e outros “sensores” amplificam em muito o alcance dos cinco sentidos naturais, mas não são capazes de transcendê-los para uma ordem superior, inimaginável para os sentidos.

O que o olho não pode ver, o tato pode sentir; o que extravasa ao tato, pode ser sentido pelo paladar, pela audição ou pelo olfato. Mas o que transcende a todos estes sentidos, humanos ou biônicos, quem o poderá perceber? O que não pode ser percebido não existe? Será?

Ainda resta a razão humana, que pode concluir com cálculos e probabilidades o que os sentidos não podem tocar, mas também esta é limitada e constantemente superada em um sem fim de descobertas diárias, desde a invenção da roda até a última variação genética do vírus da gripe. O filósofo Pascal diria que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”.

Talvez alguns homens gostariam de ter um “olho que tudo vê”, mas este, sem dúvida, não pertence a homem algum. Pertence somente a Deus.


E, a propósito, quem foi o primeiro que disse que o desafio do jogador Dele Alli Challenge, do dia 11 de agosto de 2018, tem alguma coisa a ver com o “olho que tudo vê”? PELO AMOR DE DEUS!  Não tem nada a ver! kkkk


Contudo, para elevar o nível, um pensamento de Blaise Pascal, matemático e filósofo francês (e católico):
“O homem não passa de um caniço, o mais fraco da natureza, mas é um caniço pensante.
Não é preciso que o universo inteiro se arme para esmagá-lo: um vapor, uma gota de água, bastam para matá-lo.
Mas, mesmo que o universo o esmagasse, o homem seria ainda mais nobre do que quem o mata, porque sabe que morre e a vantagem que o universo tem sobre ele; o universo, entretanto, desconhece tudo isso”.




domingo, 19 de agosto de 2018


Formação para a Comunidade CORBAM

Consagrados por quê?

Ano do Laicato - Dia de oração pelas vocações consagradas


sexta-feira, 17 de agosto de 2018




Que imagem bonita!


Recentemente descobri um destes programas de internet que permitem combinar imagem com frases curtas e achei o máximo! Tenho a impressão de que nos tempos em que vivemos, onde todo mundo quer ver tudo em todas as redes sociais ao mesmo tempo, a combinação de imagem e frase ajudam a  evangelizar. Nos tempos de Seminário, tive um professor de pastoral que dizia que para evangelizar, é necessário que as ideias da homilia caibam em um carrinho de mão. Com isso ele queria dizer que as ideias devem ser concretas, ou seja, que sejam uma imagem clara para o coração de quem escuta.

Amar a Deus, fazer o bem, salvar a alma, ser missionário, perdoar, agradecer, pedir perdão... todas estas mensagens são boas, mas precisamos fazer com que sejam atraentes para contagiar com o bem o maior número de pessoas possível! Uma boa ideia tem que encher também o coração de bons sentimentos e isso fica mais fácil com boas imagens.

A uma destas postagens, uma amiga respondeu, dizendo: “que imagem bonita!”. Foi uma postagem sobre a Santa Missa. Na imagem, o sacerdote segurava a hóstia no momento das palavras da consagração, e sobre o altar estavam três ambulas prateadas, mas o detalhe que fez com que eu tivesse escolhido esta foto no “Google Imagens” foi que as âmbulas refletiam a assembleia santa que participava da Eucaristia.

Quem conhece Jesus Cristo e se apaixonou por sua mensagem quer, de todo coração, contemplá-lo no Céu. Ele é, como o diz o salmo “meu amor, meu refúgio, libertador, fortaleza e abrigo; é meu escudo: é nele que espero!” (Sl 143, 2). A Santa Missa também é expressão deste esforço cotidiano da Igreja de querer ver Jesus, de contemplá-lo; mas como será o coração deste Jesus que eu amo? Sem dúvida, cheio de gente!

Assim, gostei da imagem porque, ao meu modo de ver, todos estavam comigo no altar, num esforço contínuo de ser um só com o Cristo, na sua oferta, no seu sacrifício redentor, no seu amor da Cruz, que quer compreender o mundo inteiro em um só ato.

Somos tão pequenos diante deste amor: pecadores, egoístas, muitas vezes mal-humorados e até violentos, mas queremos mudar! Este sentimento de querer o melhor pode elevar o mundo: muda uma ação aqui e outra ali, em casa e no trabalho, e, com a graça de Deus, pode fazer coisas grandiosas!

Se aquela imagem bonita coube no carrinho de mão dos projetos concretos de alguém, nos bons propósitos para o amanhã concreto de uma pessoa, ela cumpriu sua missão. Mas qual é a nossa missão diante do grande bem que eu e você precisamos fazer? Amanhã poderá ser um dia melhor se nosso coração se parece com aquela âmbula da imagem: cheio de Cristo e cheio de irmãos.

"Quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê" (1Jo 4, 20)



quinta-feira, 16 de agosto de 2018




Nem violão e nem cachorro!


Vocação é a urgência de um chamado, nunca nos esqueçamos disso!

Certa vez escutei uma anedota da querida Emmir Nogueira, cofundadora da Comunidade Católica Shalom, onde ela comentava sobre uma música que diz: “estou de malas prontas pra servir o meu Senhor”; dizia: “quem quer servir a Deus não tem tempo para fazer as malas”.

É bem assim que precisamos entender a nossa vocação: planos, coisas, tempo, projetos... tudo se relativiza ante a urgência de um chamado. Bagagem de missionário deve ser um pouco bagunçada mesmo e nunca pode pegar poeira! No andar da carruagem, nos tempos de oração e de serviço, as coisas vão se arrumando: sentimentos, projetos, ideias, fé...
Diz o Evangelho: “Um outro ainda lhe respondeu: ‘Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos de minha casa’. Jesus, porém, respondeu-lhe: ‘Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus’”. (Lc 9,61-62)

Outro dia escutei a história de um ex-seminarista que pensava retornar ao Seminário, mas agora não, só depois de namorar, fazer uma faculdade diferente, viajar bastante. Pode ter certeza, este não voltará nunca! E se voltar, não vai perseverar. Não é um julgamento sobre a pessoa, ele parece ser um ótimo rapaz, mas é o julgamento de uma atitude: Ou se entende que ser padre é um chamado de Deus – e urgente! – ou não se descobriu ainda a beleza de uma vocação sacerdotal.

Não dá para tratar vocação como um sofá que hoje está no meio da sala e amanhã o encostamos no canto. Vocação é a casa! Ou melhor: é sair de casa em direção ao universo! A liberdade de seguir Jesus “sem cajado ou sacola”, conforme o mesmo capítulo de São Lucas (Cf. 9, 3) é sinônimo de urgência. Deus diz constantemente ao coração do vocacionado: “Vamos! O que está esperando? Não há tempo para isso! Corra!”

O título do artigo é inspirado em uma música da dupla Simone e Simaria, que tenho escutado, querendo ou não, por onde passo: “Fizemos tantos planos, compramos tantas coisas, mas o amor é longe disso (...). Pode ficar com a casa inteira e o nosso carro, por você eu vivo e morro! Mas dessa casa eu só vou levar meu violão e o nosso cachorro”.
Pois é! Sinto muito, minhas irmãs, mas na correria do amor não dá para levar nem violão e nem cachorro! Lamento.

“Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz, cada dia, e siga-me. Pois quem quiser salvar sua vida a perderá, e quem perder a sua vida por causa de mim a salvará. Com efeito, de que adianta a alguém ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se e arruinar a si mesmo?” (Lc 9, 23-25)